Home Page > Dicas Veterinárias > Febre do vale do rift

Febre do vale do rift


A febre do Vale do Rift é uma zoonose viral aguda, que apresenta como agente etiológico um vírus RNA, pertencente ao gênero Phlebovírus, comumente transmitido por artrópodes, geralmente mosquitos infectados, em especial, os do gênero Aedes e Culex.


Esta doença foi relatada primeiramente no ano de 1915 em animais na África; contudo, o isolamento do vírus foi realizado somente em 1931, durante uma investigação epidemiológica entre os ovinos em uma fazenda no Vale do Rift, no Quênia. Nos anos de 1997 a 1998, houve um surto dessa doença no Quênia, Somália e Tanzânia e no ano de 2000 foram confirmados casos na Arábia Saudita.


Outra forma de contágio, por parte dos seres humanos, pode ser por meio de contato direto ou indireto com o sangue ou órgãos de animais infectados. Este vírus pode adentrar o organismo quando houver a manipulação de tecidos de animais durante o abate destes, em açougue, durante procedimentos veterinários, entre outros. Deste modo, certas profissões encontram-se mais suscetíveis, como magarefes, médicos veterinários, açougueiros e peões de fazenda. Existem evidências de que a transmissão também pode ocorrer por meio da ingestão do leite não pasteurizado ou cru de animais infectados.


O período de incubação do vírus varia de 2 a 6 dias. Os seres humanos podem apresentar sintomatologia variável. Habitualmente, os indivíduos infectados por esse vírus são assintomáticos ou manifestam uma forma branda da doença, caracterizada por febre, cefaléia, mialgia e alterações hepáticas. Em menos de 2% dos casos, a doença pode evoluir para febre hemorrágica, meningoencefalite, podendo também acometer o globo ocular. Quando o paciente manifesta a doença, inicialmente, observa-se febre, fraqueza generalizada, dor nas costas, tontura e perda de peso. Comumente, a recuperação ocorre dentro de 2 a 7 dias após o início da doença.


Dentre os humanos infectados, em torno de 1% morrem, enquanto que essa porcentagem é significativamente maior nos rebanhos bovinos, levando à  grande perda econômica em consequência de mortes e aborto dos animais infectados.


O diagnóstico dessa doença pode ser feito por meio de diferentes testes sorológicos, como o ELISA, que é capaz de evidenciar a existência de anticorpos IgM específicos para o vírus em questão. Outras técnicas que mostram a presença do vírus também podem ser realizadas, como a propagação do vírus (em cultura ou em animais inoculados), testes de detecção de antígeno e PCR.


Como a maioria dos casos em humanos é relativamente branda e de curta duração, não se faz necessária a realização de nenhum tratamento específico. Nos casos mais graves, é feito um tratamento suporte. Existe uma vacina para humanos produzida com vírus inativado; porém esta não está disponível comercialmente. Esta vacina tem sido utilizada experimentalmente para proteger médicos veterinários e funcionários de laboratórios com alto risco de exposição ao vírus da febre do Vale do Rift.


Diversas vacinas foram desenvolvidas para proteger os animais contra o vírus em questão. A primeira fabricada foi uma vacina viva que, quando administrada em camundongos, os resultados foram promissores, conferindo imunidade por 3 anos. Contudo, foi observado um problema: a administração dessa vacina em ovelhas prenhes, muitas vezes, resultou em aborto. Desde então, foram desenvolvidas vacinas atenuadas, porém estas conferem proteção somente após diversas inoculações.



Débora Carvalho Meldau

O conteúdo presente no texto acima é responsabilidade dos Autores citados

Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletO voo do hamster

bulletMimoso

bulletFeliz pra cachorro 5 à seco

bulletHomem aranha kuarto de empregada

bulletHino do galo da madrugada alceu valença



Dicas Veterinárias:

bulletInflamação da pele, músculo, e vasos sanguíneos em cães

bulletComo escolher acessórios para passear com seu cão

bulletAminoácidos na nutrição equina

bulletSeu bicho cabe no seu bolso? veja quanto ter um pet custa por m?s, em média

bulletTomografia computadorizada helicoidal e imagens 3d



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet silvana em souza mé dica veterinária crmv-sp 9617 animalcamp rua d pedro i n? 663; guanabara - campinas/sp fone: (19) 32425370 www.animalcampcjbnet homeovete@yahoo.com.br >

bullet Regina Incane Ito Médica Veterinária CRMVSP 4612 Paiquer? Pet Center Rua Eraldo Aurélio Franzese, 88 Paiquer? Valinhos SP FONE: (19) 38697743>

bullet Juliane Seixas Juliane Seixas Website.: www.facebook.com/veterinariadrajulianeseixas Graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, PUC/PR. Atua como plantonista na área clínica e cirurgica de animais de companhia CRMV: 11430 / PR Cont>

bullet Dalva Marques http://www.infohorse.com.br/2018/03/18/a marcha dos muares/>

bullet Juliana Bortoletto Clinica Vet health, rua: jose gomes moreno, 50 terra nova 2 S?o Bernardo do Campo/SP , crmvsp 18.377 fone: (11) 41014260>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletFeito cães e gatos (the truth about cats and dogs)

bulletK9 - um policial bom pra cachorro

bulletO gato do espaço (the cat from outer space)

bulletO cachorro (el perro)

bulletGatos numa roubada (tomcats)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletAmazonas aguas, passaros, seres e milagres

bulletMarley e eu

bulletA volta do gato preto

bulletMais que um leao por dia

bulletCrianca, cachorro que fala!

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos