Home Page > Dicas Veterinárias > Como agir se meu cachorro tiver um ataque epilético

Como agir se meu cachorro tiver um ataque epilético


A epilepsia é uma patologia de caráter hereditário que costuma apresentar os primeiros ataques entre os seis meses de idade e os cinco anos. Identificamos que nosso cachorro sofre desta doença, principalmente, pelas convulsões acompanhadas da rigidez das extremidades, movimentos em forma de pedaladas, salivação abundante e perda da consciência, entre outros sintomas. Seu cachorro tem epilepsia e você quer saber como deve agir? 


Instruções:


1


A epilepsia é uma doença que deve ser diagnosticada pelo veterinário, por isso, se você desconfia que seu cão teve um ataque epiléptico deve levá-lo a um especialista para que ele confirme ou não se isto é correto e avalie a necessidade de iniciar um tratamento. A epilepsia é uma patologia que não tem cura, mas sim um tratamento médico que reduz o número de crises e a intensidade das mesmas. No entanto, este tipo de fármacos só é administrado àqueles cães que tendem a sofrer de ataques epilépticos com muita frequência, já que poderia apresentar efeitos secundários.


2


Na maioria das vezes os ataques são repentinos, mas, em algumas ocasiões, podemos perceber sinais que nos indicam que nosso cão está a ponto de sofrer uma crise epiléptica. O aviso principal é o nervosismo. Alguns cães segundos antes de ter o ataque epiléptico mostram-se inquietos e muito nervosos, de modo que você deverá ficar alerta e preparar-se para agir.


3


Tanto se você notar que seu cão está a ponto de sofrer um ataque como se tiver acabado de começar, a primeira coisa que você deve fazer é manter a calma. Os cães têm a capacidade de sentir nossas emoções e assumi-las, de modo que se ele notar que você está nervoso vai ficar mais nervoso ainda do que já está.


4


Depois, é muito importante deitar o cão sobre uma superfície acolchoada para que ele esteja mais cômodo e consiga relaxar. O ideal é colocar a almofada ou colchão que você utilizar no chão para evitar uma possível queda. Se as convulsões forem muito fortes você deverá segurá-lo sem exercer pressão para que ele permaneça deitado.


5


É fundamental não tentar puxar a língua do seu cão se ele tiver um ataque epiléptico. Não se preocupe com ele se afogar porque isto não acontecerá, pelo contrário, se você tentar puxá-la é provável que ele acabe mordendo-a de forma inconsciente.


6


Para os cães epilépticos que sofrem de ataques muito intensos e frequentes, o veterinário pode receitar, além do tratamento preventivo, um relaxante muscular que deverá ser aplicado durante a crise. Este relaxante é administrado por via retal e os próprios donos podem fazê-lo, seguindo as instruções dadas pelo veterinário. O ideal é aplicar a medicação quando você deitar o cão no chão. Lembre-se que você deve parecer calmo a todo o momento. Uma vez administrado o medicamento, o ataque regredirá rapidamente.


7


Depois de finalizado o ataque, o cão costuma ficar desorientado e muito cansado, por isso você deverá deixá-lo recuperar-se. Para isso, deixe-o deitado sobre a superfície acolchoada se ele se sentir cômodo, na cama dele ou onde você achar que ele pode ficar mais tranquilo e relaxado.


8


Ainda que os ataques epilépticos sejam muito impressionantes e costumem assustar os donos, você deve ter em conta que raramente acabam com a vida do cão e não apresentam nenhum tipo de efeito secundário. Uma vez passada a crise, o cão pode ter a mesma qualidade de vida que um cão que não sofra de epilepsia. Só os casos mais graves deverão seguir um tratamento médico pelo resto da vida.



https://animais.umcomo.com.br/artigo/como agir se meu cachorro tiver um ataque epiletico 14835.html

O conteúdo presente no texto acima é responsabilidade dos Autores citados

Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletCeleste, a Cobra

bulletJulieta tá

bulletCaminheiro

bulletMilagre dos peixes

bulletCobra Venenosa



Dicas Veterinárias:

bulletVasculite cutânea em cães

bulletComo dar remédios via oral para um cão

bulletImportância na dosagem da frutosamina no diagnóstico de diabetes em gatos

bulletTaquicardia supraventricular em cães

bulletEntenda porque você deve tirar o guizo da coleira do seu gato



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Eng. Agr. Aliomar Gabriel da Silva, MS, PhD Celular: (16) 9 8149-7557 e E-mail: aliomargabrieldasilva@hotmail.com >

bullet Juliane Seixas Juliane Seixas Website.: www.facebook.com/veterinariadrajulianeseixas Graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, PUC/PR. Atua como plantonista na área clínica e cirurgica de animais de companhia CRMV: 11430 / PR Cont>

bullet Rafael Claro Marques (CRMVSP 18.849) é médico veterinário e pósgraduado em Clínica Médica de Pequenos Animais dr.rafael@clinicapontegrande.com.br>

bullet Carlos Artur Lopes Leite é médicoveterinário graduado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialista em Micologia Médica pela Carl von Ossietzky Universität (Alemanha). É também mestre em Medicina e Cirurgia Veterinárias pela UF>

bullet Juliana Bortoletto Clinica Vet health, rua: jose gomes moreno, 50 terra nova 2 S?o Bernardo do Campo/SP , crmvsp 18.377 fone: (11) 41014260>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletJurassic park ii

bulletUm homem chamado cavalo (a man called horse)

bulletBabe, o porquinho atrapalhado

bulletO gato do espaço (the cat from outer space)

bulletMato sem cachorro



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletAmazonas aguas, passaros, seres e milagres

bulletMarley e eu

bulletA princesa e o sapo

bulletUm gato entre os pombos

bulletCama de gato

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos