Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]


Home Page > Dicas Veterinárias > Mieloencefalite Protozoária Equina EPM

Compartilhe em suas redes sociais:

Mieloencefalite Protozoária Equina EPM


Enfermidade dificulta a locomoção dos animais Mais conhecida como Bambeira Equina, a Mieloencefalite Protozoária Equina (EPM) é uma doença neurológica causada pelo protozoário Neurona Sarcocystis. Presente nas fezes do gambá, ele chega ao sistema nervoso central dos equinos através da corrente sanguínea, provocando, fraqueza muscular, perda do equilíbrio, da mobilidade, dentre outros problemas. Em casos mais graves, a enfermidade pode levar a paralisia dos nervos cranianos, atrofia muscular ou até mesmo a morte do animal. Os cavalos contraem a doença através da ingestão das fezes contaminadas do gambá, que podem estar presentes no feno, na ração, água ou até mesmo na pastagem natural. Para identificar o problema, o criador precisa observar alguns sintomas característicos, embora, o aparecimento e a gravidade estejam ligados ao grau de comprometimento do Sistema Nervoso Central. Um dos primeiros sinais apresentados é o desequilíbrio. Problema rapidamente percebido pela criadora Lucilene da Glória Castelhano Teixeira, do Haras Porteira Velha em Belo Horizonte (MG), que há cerca de dois anos viu o seu animal, Sheik do Coqueiro Verde, apresentar problemas de locomoção e desgaste em uma das ferraduras, “Olhamos casco, tiramos a ferradura e logo ele começou a andar com as pernas traseiras duras, não conseguia dobra-las, principalmente, para descer, então chamamos um veterinário que diagnosticou a Doença do Gambá.”, relatou a criadora. Marchador passou por tratamento e se curou da Bambeira Equina Mas o diagnóstico dado pelo especialista não foi animador, “O veterinário que diagnosticou disse que não tinha cura, então levamos o animal para um pasto em Caxambu, já sem nenhuma perspectiva.”. Tempos depois, de acordo com o relato de Lucilene veio uma nova esperança... “Comentamos o problema do Sheik com um outro veterinário e ele nos informou que já havia tratamento para a doença, a cura não era garantida, mas resolvemos tentar.” relembra. Seguindo a recomendação médica, iniciou-se um tratamento clínico de três meses. Com o quadro de melhora de Sheik do Coqueiro Verde, posteriormente, os donos deveriam ministrar de seis em seis meses uma nova dosagem da medicação. Segundo o médico-veterinário Filipe Rodrigues Gontijo, especialista em diagnóstico e cirurgia equina, o quanto antes se identificar a doença e iniciar o tratamento, maiores serão as chances de cura e a não permanência de sequelas. Felipe justifica a dificuldade em se alcançar a cura do animal, “A cura parasitológica é difícil porque há a formação de cistos na musculatura, e se o animal está debilitado, com o sistema imunológico comprometido, esses cistos podem se romper e circular na corrente sanguínea, fazendo com a doença retorne. A medicação atua também rompendo esses cistos para diminuir as possibilidades de reaparecimento da doença.”, esclareceu. O veterinário também falou sobre a extensão de danos, “A doença acomete diretamente aos nervos, podendo haver sequelas por lesões de nervos, muitas vezes irreversíveis, por isso, mais cedo houver o diagnóstico e o tratamento, melhor”. Filipe afirma ainda, que atualmente a letalidade da doença não é tão alta como antes. Doença não é transmissível Vale destacar, que a Bambeira Equina não é transmissível de um cavalo para outro, os equinos são hospedeiros acidentais, ou seja, não é imprescindível para o ciclo evolutivo do protozoário. Portanto não é necessário isolar o animal doente ou a área habitada por ele. A melhor forma de prevenir o aparecimento da Doença do Gambá, é evitando a presença de gambás no ambiente em que os cavalos habitam, embora essa seja uma prática difícil, já que a contaminação pode ocorrer nas áreas de pastagens naturais. É importante também a higienização correta dos cochos (evitando sobras de alimentos por longos períodos) e bebedouros disponíveis aos animais. Convém lembrar ainda que, por ser um animal silvestre, o gambá é protegido por lei e por esse motivo não pode sofrer perseguição. RESUMO: A doença: Incômodo neurológico motivado pelo protozoário Neurona Sarcocystis, que ao se instalar no Encéfalo ou na Medula Espinhal, provoca infecção e inflamação. Sintomas: Os primeiros sinais podem aparecer de forma rápida, cerca de um mês após a contaminação ou tardiamente, até dois anos depois. Sinais de Alerta: Tropeços, dificuldade em movimentar-se, andar em círculos. O agravamento dos sintomas depende da idade do animal, estilo de vida e resposta do sistema imunológico. Diagnóstico: Observação dos sintomas, exame clínico e avaliação com especialista. O diagnóstico definitivo é alcançado com o exame Western Blot, que analisa o líquido cefalorraquidiano do animal e é realizado nos Estados Unidos. Tratamento: A dosagem e o tempo de medicação, devem seguir a recomendação do especialista responsável. Prevenção: Manter baias, cochos e bebedouros limpos, evitando sobra excessiva de alimentos. Impedir o acesso dos gambás nas áreas de convívio dos animais. Em áreas naturais (pastagens) esse controle é mais difícil. Sobre o Gambá: O Gambá é protegido pela Lei Nº 9.605 de Crimes Ambientais, que proíbe a perseguição e morte aos animais silvestres, dentre eles o gambá. Na natureza, ele cumpre importante papel, além de espalhar as sementes dos frutos que comem, eles também são reguladores de outras espécies dos quais são predadores, situação que evita o desequilíbrio da cadeia alimentar.

http://www.abccmm.org.br/leitura?id=9482

O conteúdo presente no texto acima é responsabilidade dos Autores citados

Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletGalo de rinha jayme caetano braun

bulletBaile da tartaruga zé gonzaga

bulletVida de cachorro

bulletPássaro da Noite

bulletA galinha e o galo carijó galinha pintadinha



Dicas Veterinárias:

bulletVocê sabe dizer se seu gato está doente?

bulletAcidose respiratória

bulletDevo cruzar meu cão ou minha cadela?

bulletO que é e para que serve um colar elizabetano?

bulletSíndrome do navicular em equinos



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Archivaldo Reche, professor de veterinária da USP.>

bullet Aquarium Lab http://aquariumlab.com.br>

bullet Mariana LageMarques Médica Veterinária graduada pela Universidade Paulista em 2002. Mestre em Cirurgia pela FMVZUSP em 2008. Sócia Fundadora ABOV (Associação Brasileira de Odontologia Veterinária), 2002. Faço atendimento odontológico móvel. >

bullet Luciana Leite Ribeiro dos Santos Médica veterinária CRMVSP 8298 www.spaces.msn.com/members/vetemcasa lulrs@yahoo.com.br>

bullet Claudia Leschonski Veterinária de Cavalos Blog http://leschonski.blog.terra.com.br/>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletVinte mil léguas submarinas

bulletA lenda do homem crocodilo (the legend of gator face)

bulletUm hotel bom pra cachorro (hotel for dogs)

bulletO miado do gato (the cat s meow)

bulletA morte anda a cavalo (da uomo a uomo / death rides a horse)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletPassaro-camaleao, o

bulletFalando de passaros e gatos

bulletNo meu peito não cabem pássaros

bulletO gato de botas

bulletMarley e eu

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos