Home Page > Dicas Veterinárias > Raiva equina

Raiva equina


 


Raiva-equina


Autor: Dr Marcelo Maia


 


INTRODUÇÃO


A raiva é uma enfermidade viral infecciosa, de notificação obrigatória, invariavelmente fatal, que afeta o sistema nervoso central (SNC) de pessoas e de quase todas as espécies de mamíferos domésticos e silvestres. É considerada uma das zoonoses de maior importância em saúde pública, não só por sua evolução drástica e letal, como também por seu elevado custo social e econômico. A raiva em herbívoros no Brasil é determinada principalmente pela presença do morcego vampiro, ou morcego hematófago “desmodus rotundus”. Eqüinos podem ser incluídos dentre as espécies mais afetadas pelos morcegos vampiros.


FORMA DE TRANSMISSÃO


A raiva em eqüinos é normalmente transmitida através da mordedura de morcegos hematófagos. No Brasil, há diversas espécies de morcegos que se alimentam de sangue, sendo a mais importante o Desmodus rotundus. Os morcegos hematófagos atuam como portadores reservatórios e transmissores de raiva por vários meses, podendo ou não desenvolver a doença. Além dos morcegos, outros animais silvestres, como raposas, podem atuar como portadores ou reservatórios do vírus.  Para a transmissão da raiva, é necessário o contato de saliva contendo o vírus com uma solução de continuidade (ferida) na pele do animal agredido, pois o vírus da raiva não atravessa a pele íntegra. A saliva dos animais transmissores pode estar infectada vários dias antes do aparecimento dos primeiros sintomas de raiva.


SINTOMATOLOGIA CLÍNICA


Fundamentalmente há três tipos clínicos de raiva nos animais domésticos: 1) raiva furiosa; 2) raiva paralítica; e 3) Raiva muda ou atípica. Quando se trata de raiva transmitida por morcegos, não foram observadas diferenças acentuadas entre as manifestações clínicas nos eqüinos, asininos, muares. Classicamente a raiva apresenta três fases: A fase prodrômica que geralmente é a mais curta, e inclui mudanças de conduta; a fase excitativa, que inclui sinais exacerbados de hiperexcitabilidade e agressividade; e a fase paralítica, que geralmente segue a anterior e cursa com paralisia progressiva.


FORMA DE DIAGNÓSTICO


Qualquer doença que cause encefalite pode provocar sintomas semelhantes aos da raiva. Nos eqüinos, a raiva pode confundir-se com botulismo, enterotoxemia, babesiose, intoxicações e outras doenças com sintomatologia nervosa. Nos eqüinos, deve-se fazer o diagnóstico diferencial em relação à encefalomielite, rinopneumonite e intoxicações. Assim, o diagnóstico clínico é apenas sugestivo, devendo ser confirmado em laboratório. Considerando-se o perigo de contaminação do operador e que a eficiência dos métodos de diagnóstico depende das condições de conservação da amostra, a coleta desse material deve ser feita por médico-veterinário. Em geral, o veterinário encaminha para o laboratório a cabeça do animal refrigeração.


TRATAMENTO E PREVENÇÃO


Uma vez que não há tratamento para a raiva, as medidas de controle e profilaxia baseiam-se na vacinação de animais em áreas de risco e no combate por métodos seletivo ás populações de morcegos hematófagos (uso de redes especiais e pastas anticoagulantes. O morcego Desmodus rotundus é o principal transmissor da raiva dos herbívoros, pois é a espécie de morcegos hematófagos mais abundantes e tem nos herbívoros a sua maior fonte de alimento. É uma doença de notificação obrigatória pelo Ministério da Agricultura que precisa ser imediatamente comunicada ao Órgão de Defesa Agropecuária (IDIARN).


 


src=
Fig-1) Morcego Desmodus rotundus.


 


src=
Fig-2) Locais de preferência das mordidas dos morcegos hematáfagos.


 


src=
Fig 3) Fase furiosa da doença, movimento de pedalagem.


 


src=
Fig 4: Captura do morcegos como forma de prevenção.



http://www.portaldoequino.com.br:3000/dicas/29

O conteúdo presente no texto acima é responsabilidade dos Autores citados

Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletOlho de peixe

bulletCaminheiro

bulletVoa voa passarinho

bulletDesafio dos cobras teixeirinha

bulletJingle bells



Dicas Veterinárias:

bulletMielina deficiência em cães

bulletSarcoma sinovial em caes

bulletFesta junina e pets: diversão com segurança

bulletSeu bicho cabe no seu bolso? veja quanto ter um pet custa por m?s, em média

bulletDegeneração da coluna vertebral em cães



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet dra rúbia burnier
crmv 4/5870
veterinária especialista em comportamento animal
www.vetmovel.com.br
www.espacoanimal.com.br
telefone : (11) 9996 1222>

bullet Juliane Seixas Juliane Seixas Website.: www.facebook.com/veterinariadrajulianeseixas Graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, PUC/PR. Atua como plantonista na área clínica e cirurgica de animais de companhia CRMV: 11430 / PR Cont>

bullet Ciro Pinheiro Mathias Franco Medico Veterinário atuante em odontologia eqüina. Cel. (11) 98146666 Email: ciromedvet@ig.com.br>

bullet Dr. Carlos Artur Lopes Leite é médico veterinário graduado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialista em Micologia Médica pela Carl von Ossietzky Universität (Alemanha). É também mestre em Medicina e Cirurgia Veterinárias pela UF>

bullet Nayara Zonta, parceria com a VetQuality 56811999>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletPássaros livres (plumíferos - aventuras voladoras)

bulletCacados

bulletGatos numa roubada (tomcats)

bulletPeixe grande e suas histórias maravilhosas (big fish)

bulletNas montanhas dos gorilas



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletPassaros sao eternos, os

bulletO gato de botas

bulletCrianca, cachorro que fala!

bulletVida de cão

bulletAtlas colorido de anatomia veterinária do cão e gato

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos