Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]


Home Page > Raças & Espécies > Cães > Volpino italiano

Compartilhe em suas redes sociais:

Volpino italiano

volpinoitaliano

País de origem: Itália
Nome no país de origem: Volpino Italiano
Utilização: Cão de guarda e companhia
Sem prova de trabalho
RESUMO HISTÓRICO: é um dos descendentes do Spitz Europeu que já existiu na
região central do nosso continente desde a Era do Bronze e do qual foram descobertos
esqueletos fossilizados ao redor de colunas de fundação de aldeias lacustres. Assim, o
Volpino volta aos mesmos antepassados do Spitz Alemão, do qual ele não é descendente,
mas um parente. Ele foi criado na Itália desde tempos imemoráveis e foi idolatrado
nos palácios dos nobres, como também nas choupanas de bairros populares, onde era
especialmente apreciado pelo seu instinto de guarda e vigilância. Ele foi o cão de
Michelangelo, e, no Século 18, um companheiro incansável dos carroceiros de Toscana
e do Latium, sempre pronto para anunciar ruidosamente qualquer pessoa estranha
encontrada pelo caminho.
APARÊNCIA GERAL: Spitz de tamanho pequeno, muito compacto, harmonioso,
coberto por pelos eretos e longos.
PROPORÇÕES IMPORTANTES: construído dentro de um quadrado; o
comprimento da cabeça atinge quase 4/10 do comprimento do corpo.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: muito apegado ao seu meio ambiente
e à sua família, de temperamento muito distinto, esperto, alegre e brincalhão.
CABEÇA: em forma de pirâmide, comprimento da cabeça quase próximo a 4/10 da
altura na cernelha.
REGIÃO CRANIANA
Crânio: de comprimento maior que o do focinho (6,5:5), sua largura entre os arcos
zigomáticos é maior que a metade do comprimento da cabeça (7,3 : 11,5); de formato
um tanto ovóide, seja no sentido longitudinal ou transversal; o sulco médio-frontal é
ligeiramente marcado, assim como a protuberância occipital. A direção das linhas
superiores do crânio e do focinho são levemente convergentes. A protuberância óssea
da testa, bem desenvolvida, descendo quase perpendicularmente sobre a raiz do focinho.
Stop: pouco acentuado.
4
REGIÃO FACIAL
Trufa: úmida, fresca com narinas bem abertas. Vista de perfil, está situada na mesma
linha que a cana nasal não ultrapassando a linha anterior dos lábios. A cor é sempre
preta, tanto nos cães de pelagem branca quanto nos de pelagem vermelha.
Focinho: de comprimento inferior ao do crânio, com as faces laterais convergentes; é
pontudo. A cana nasal é reta. Visto de perfil, a linha inferior do focinho é determinada
pela mandíbula.
Lábios: vistos de frente, os superiores, determinam uma linha inferior reta. A comissura
labial não é visível, portanto os lábios são muito curtos. Os bordos dos lábios são de
cor preta.
Maxilares / Dentes: maxilares de aparê;ncia não robusta, normalmente desenvolvidos
e se encaixando perfeitamente em seu bordo anterior. Os dois lados da mandíbula são
retos. Dentes brancos, regularmente alinhados, completos e perfeitamente
desenvolvidos. Mordedura em tesoura; em torquê;s é tolerado.
Olhos: bem abertos, de tamanho normal; denotam vigilância e vivacidade. Abertura
palpebral arredondada, inseridos em planos, formam um ângulo muito aberto para
trás. As pálpebras se aderem perfeitamente ao globo ocular. A cor da íris é ocre escuro,
a das bordas das pálpebras é preta.
Orelhas: curtas, de forma triangular, eretas, com cartilagem rígida e a face interna das
orelhas direcionadas para a frente. Inseridas altas, próximas entre sí. O comprimento
da orelha alcança, aproximadamente, a metade do comprimento da cabeça.
PESCOÇO: seu comprimento é aproximadamente igual ao comprimento da cabeça.
Sempre portado alto. A pele é bem ajustada.
TRONCO: de construção quadrada, seu comprimento medido da ponta do ombro à
nádega é igual a altura na cernelha.
Linha superior: reta no dorso, mas ligeiramente convexa no lombo.
Cernelha: ligeiramente elevada acima da linha superior.
Garupa: segue a linha do lombo; sua inclinação, desde o quadril até a inserção da
cauda é de 10° com a horizontal.
5
Peito: profundidade até o nível dos cotovelos; costelas bem arqueadas. Região do
esterno é longo.
Linha inferior: da região do esterno eleva-se ligeiramente à linha inferior do ventre. A
profundidade dos flancos é pouco acentuada.
CAUDA: inserida no prolongamento da garupa; portada permanentemente enrolada
sobre o dorso. Seu comprimento é um pouco menor que o da altura na cernelha.
MEMBROS
Anteriores: vistos em conjunto, são perfeitamente aprumados, paralelos entre si em
relação ao plano mediano do tronco.
Ombros: o comprimento do ombro é igual a 1/4 da altura na cernelha e sua obliquidade
com a horizontal é de 60°.
Braços: mais longos do que a escápula e sua obliquidade com a horizontal é de 65°.
Cotovelos: são paralelos ao plano mediano do corpo.
Antebraços: continuando uma linha vertical; de ossatura leve. Seu comprimento,
medido do solo ao cotovelo, é ligeiramente maior que a metade da altura na cernelha.
Carpos e metacarpos: vistos de frente, continuam a linha vertical do antebraço.
Vistos de perfil, são oblíquos.
Patas: de forma oval com dedos bem juntos. As almofadas plantares e as unhas são
pretas.
Posteriores: vistos em conjunto por trás, devem seguir uma linha perfeitamente vertical
da ponta da nádega ao solo. São paralelos entre si.
Coxas: seu comprimento é igual a 1/3 da altura na cernelha; são perfeitamente paralelas
ao plano mediano do tronco.
Pernas: seu comprimento é ligeiramente inferior ao comprimento da coxa. São de
ossatura leve e sua obliquidade com a horizontal é de 55° a 60°.
Jarretes: a distância entre a ponta do jarrete e o solo é ligeiramente maior do que
1/4 da altura na cernelha.
6
Metatarsos: verticais e perfeitamente retos, vistos tanto de perfil como por trás.
Patas: ovais como as anteriores e com as mesmas características.
MOVIMENTAÇÃO: não deve ser saltitante, nem no trote, nem no galope. Em todos
os movimentos, as passadas são amplas.
PELE: bem ajustada e esticada, sem frouxidão em qualquer parte.
PELAGEM
Pelo: denso, muito longo e excepcionalmente reto. De textura áspera com pelos
retos, rígidos; não devem ser caídos nunca. Devem ser retos, mesmo nos casos em
que a pelagem não seja muito densa. O tronco dá a impressão de estar envolvido por
um casaco, particularmente no pescoço onde o pelo forma um amplo colar. O crânio
é revestido por pelos semi-longos que escondem a base das orelhas. No focinho, o
pelo é curto. Nas orelhas o pelo é muito fino e liso. A cauda é coberta por pelagem
muito longa. Sobre os bordos posteriores dos membros, a pelagem forma franjas.
COR
• branco unicolor.
• vermelho unicolor.
• champanhe, é admitida, mas não desejada.
São toleradas, nas orelhas, sombras laranja-pálido, que em todo caso constitui uma
imperfeição.
TAMANHO
Altura na cernelha: machos: de 27 a 30 cm.
fê;meas: de 25 a 28 cm.
FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e
penalizado na exata proporção de sua gravidade.
7
FALTAS ELIMINATÓRIAS
• trufa de qualquer outra cor que não seja o preto.
• cana nasal convexa.
• olhos de cores diferentes.
• cauda entre as pernas.
• altura acima de 3 cm dos limites indicados pelo padrão.
FALTAS DESQUALIFICANTES
• divergê;ncia das linhas superiores do crânio e do focinho.
• prognatismo superior.
• despigmentação total da trufa ou das bordas das pálpebras.
• orelhas totalmente pendentes .
• ausê;ncia de cauda ou cauda muito curta, seja congê;nita ou adquirida.
• qualquer cor diferente do branco, vermelho ou do indesejável champanhe.
• manchas vermelhas sobre fundo branco, manchas brancas ou pretas sobre o fundo
vermelho.
NOTAS:
• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparê;ncia normal, bem descidos
e acomodados na bolsa escrotal.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento
deve ser desqualificado.



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Dicas de Profissionais do ramo pet e agropecuário:


bulletAtaques e convulsões em cães

bulletO colesterol alto em cães

bulletA odontologia equina

bulletComo proteger seu cavalo do coronavírus

bulletTétano em animais


Ver todas as Dicas de Profissionais



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores



bullet Diskvet Telefone: (19) 32581887 / 33081887 / 33081886 Celular: (19) 93183040 (emergência) Email: diskvet@gmail.com Av. Antonio Carlos Couto de Barros, n? 1156 Sousas Campinas / SP

bullet Gabriel Guerreiro Qual quer dúvida ou sugesteatilde;o enbsp;estarei respondendo no email Gabriel_g_f@hotmail.com no twitter @AdestramentoDOG

bullet Ciro Pinheiro Mathias Franco Medico Veterinário atuante em odontologia eqüina. Cel. (11) 98146666 Email: ciromedvet@ig.com.br

bullet Projeto Cão Moderno Felipe Consentini felipe@caomoderno.com.br

bullet Claudia Niemeyer (11) 77130407 claudia@veterinariaaves.com.br www.veterinariaaves.com.br

Ver todas as Dicas dos Colunistas

Letras de Música com temas Animais:


bulletTrês Passarinhos

bulletLadeira do boi genival lacerda eu vi maria na ladeira do boi eu perguntei maria pra onde foi maria trazia um pote quando me avistou deu um tombo de um jeito que o pote quebrou ai maria quanto tempo eu não te vejo cadê meu abraço maria cadê meu beijo m

bulletBorboleta

bulletBoi voador não pode

bulletVida de cachorro

Ver todas as Letras de Músicas

Cinema, Filmes e Seriados:


bulletA vingança do homem chamado cavalo (the return of a man called horse)

bulletO cachorro bombeiro (firehouse dog)

bulletErnest e célestine

bulletRio

bulletBenji - o filme


Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletCachorro tem cada uma

bulletUm gato aprende a morrer

bulletPassaro-camaleao, o

bulletCachorro magro

bulletO encantador de cães

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos