Home Page > Raças & Espécies > Cães > Volpino italiano

Volpino italiano

volpinoitaliano

País de origem: Itália
Nome no país de origem: Volpino Italiano
Utilização: Cão de guarda e companhia
Sem prova de trabalho
RESUMO HISTÓRICO: é um dos descendentes do Spitz Europeu que já existiu na
região central do nosso continente desde a Era do Bronze e do qual foram descobertos
esqueletos fossilizados ao redor de colunas de fundação de aldeias lacustres. Assim, o
Volpino volta aos mesmos antepassados do Spitz Alemão, do qual ele não é descendente,
mas um parente. Ele foi criado na Itália desde tempos imemoráveis e foi idolatrado
nos palácios dos nobres, como também nas choupanas de bairros populares, onde era
especialmente apreciado pelo seu instinto de guarda e vigilância. Ele foi o cão de
Michelangelo, e, no Século 18, um companheiro incansável dos carroceiros de Toscana
e do Latium, sempre pronto para anunciar ruidosamente qualquer pessoa estranha
encontrada pelo caminho.
APARÊNCIA GERAL: Spitz de tamanho pequeno, muito compacto, harmonioso,
coberto por pelos eretos e longos.
PROPORÇÕES IMPORTANTES: construído dentro de um quadrado; o
comprimento da cabeça atinge quase 4/10 do comprimento do corpo.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: muito apegado ao seu meio ambiente
e à sua família, de temperamento muito distinto, esperto, alegre e brincalhão.
CABEÇA: em forma de pirâmide, comprimento da cabeça quase próximo a 4/10 da
altura na cernelha.
REGIÃO CRANIANA
Crânio: de comprimento maior que o do focinho (6,5:5), sua largura entre os arcos
zigomáticos é maior que a metade do comprimento da cabeça (7,3 : 11,5); de formato
um tanto ovóide, seja no sentido longitudinal ou transversal; o sulco médio-frontal é
ligeiramente marcado, assim como a protuberância occipital. A direção das linhas
superiores do crânio e do focinho são levemente convergentes. A protuberância óssea
da testa, bem desenvolvida, descendo quase perpendicularmente sobre a raiz do focinho.
Stop: pouco acentuado.
4
REGIÃO FACIAL
Trufa: úmida, fresca com narinas bem abertas. Vista de perfil, está situada na mesma
linha que a cana nasal não ultrapassando a linha anterior dos lábios. A cor é sempre
preta, tanto nos cães de pelagem branca quanto nos de pelagem vermelha.
Focinho: de comprimento inferior ao do crânio, com as faces laterais convergentes; é
pontudo. A cana nasal é reta. Visto de perfil, a linha inferior do focinho é determinada
pela mandíbula.
Lábios: vistos de frente, os superiores, determinam uma linha inferior reta. A comissura
labial não é visível, portanto os lábios são muito curtos. Os bordos dos lábios são de
cor preta.
Maxilares / Dentes: maxilares de aparê;ncia não robusta, normalmente desenvolvidos
e se encaixando perfeitamente em seu bordo anterior. Os dois lados da mandíbula são
retos. Dentes brancos, regularmente alinhados, completos e perfeitamente
desenvolvidos. Mordedura em tesoura; em torquê;s é tolerado.
Olhos: bem abertos, de tamanho normal; denotam vigilância e vivacidade. Abertura
palpebral arredondada, inseridos em planos, formam um ângulo muito aberto para
trás. As pálpebras se aderem perfeitamente ao globo ocular. A cor da íris é ocre escuro,
a das bordas das pálpebras é preta.
Orelhas: curtas, de forma triangular, eretas, com cartilagem rígida e a face interna das
orelhas direcionadas para a frente. Inseridas altas, próximas entre sí. O comprimento
da orelha alcança, aproximadamente, a metade do comprimento da cabeça.
PESCOÇO: seu comprimento é aproximadamente igual ao comprimento da cabeça.
Sempre portado alto. A pele é bem ajustada.
TRONCO: de construção quadrada, seu comprimento medido da ponta do ombro à
nádega é igual a altura na cernelha.
Linha superior: reta no dorso, mas ligeiramente convexa no lombo.
Cernelha: ligeiramente elevada acima da linha superior.
Garupa: segue a linha do lombo; sua inclinação, desde o quadril até a inserção da
cauda é de 10° com a horizontal.
5
Peito: profundidade até o nível dos cotovelos; costelas bem arqueadas. Região do
esterno é longo.
Linha inferior: da região do esterno eleva-se ligeiramente à linha inferior do ventre. A
profundidade dos flancos é pouco acentuada.
CAUDA: inserida no prolongamento da garupa; portada permanentemente enrolada
sobre o dorso. Seu comprimento é um pouco menor que o da altura na cernelha.
MEMBROS
Anteriores: vistos em conjunto, são perfeitamente aprumados, paralelos entre si em
relação ao plano mediano do tronco.
Ombros: o comprimento do ombro é igual a 1/4 da altura na cernelha e sua obliquidade
com a horizontal é de 60°.
Braços: mais longos do que a escápula e sua obliquidade com a horizontal é de 65°.
Cotovelos: são paralelos ao plano mediano do corpo.
Antebraços: continuando uma linha vertical; de ossatura leve. Seu comprimento,
medido do solo ao cotovelo, é ligeiramente maior que a metade da altura na cernelha.
Carpos e metacarpos: vistos de frente, continuam a linha vertical do antebraço.
Vistos de perfil, são oblíquos.
Patas: de forma oval com dedos bem juntos. As almofadas plantares e as unhas são
pretas.
Posteriores: vistos em conjunto por trás, devem seguir uma linha perfeitamente vertical
da ponta da nádega ao solo. São paralelos entre si.
Coxas: seu comprimento é igual a 1/3 da altura na cernelha; são perfeitamente paralelas
ao plano mediano do tronco.
Pernas: seu comprimento é ligeiramente inferior ao comprimento da coxa. São de
ossatura leve e sua obliquidade com a horizontal é de 55° a 60°.
Jarretes: a distância entre a ponta do jarrete e o solo é ligeiramente maior do que
1/4 da altura na cernelha.
6
Metatarsos: verticais e perfeitamente retos, vistos tanto de perfil como por trás.
Patas: ovais como as anteriores e com as mesmas características.
MOVIMENTAÇÃO: não deve ser saltitante, nem no trote, nem no galope. Em todos
os movimentos, as passadas são amplas.
PELE: bem ajustada e esticada, sem frouxidão em qualquer parte.
PELAGEM
Pelo: denso, muito longo e excepcionalmente reto. De textura áspera com pelos
retos, rígidos; não devem ser caídos nunca. Devem ser retos, mesmo nos casos em
que a pelagem não seja muito densa. O tronco dá a impressão de estar envolvido por
um casaco, particularmente no pescoço onde o pelo forma um amplo colar. O crânio
é revestido por pelos semi-longos que escondem a base das orelhas. No focinho, o
pelo é curto. Nas orelhas o pelo é muito fino e liso. A cauda é coberta por pelagem
muito longa. Sobre os bordos posteriores dos membros, a pelagem forma franjas.
COR
• branco unicolor.
• vermelho unicolor.
• champanhe, é admitida, mas não desejada.
São toleradas, nas orelhas, sombras laranja-pálido, que em todo caso constitui uma
imperfeição.
TAMANHO
Altura na cernelha: machos: de 27 a 30 cm.
fê;meas: de 25 a 28 cm.
FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e
penalizado na exata proporção de sua gravidade.
7
FALTAS ELIMINATÓRIAS
• trufa de qualquer outra cor que não seja o preto.
• cana nasal convexa.
• olhos de cores diferentes.
• cauda entre as pernas.
• altura acima de 3 cm dos limites indicados pelo padrão.
FALTAS DESQUALIFICANTES
• divergê;ncia das linhas superiores do crânio e do focinho.
• prognatismo superior.
• despigmentação total da trufa ou das bordas das pálpebras.
• orelhas totalmente pendentes .
• ausê;ncia de cauda ou cauda muito curta, seja congê;nita ou adquirida.
• qualquer cor diferente do branco, vermelho ou do indesejável champanhe.
• manchas vermelhas sobre fundo branco, manchas brancas ou pretas sobre o fundo
vermelho.
NOTAS:
• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparê;ncia normal, bem descidos
e acomodados na bolsa escrotal.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento
deve ser desqualificado.



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletBater das asas

bulletProcissão

bulletMimoso

bulletO rei da cavalgada

bulletGalo garnizé luiz gonzaga



Dicas Veterinárias:

bulletInflamação disco Verterbral em cães

bulletCrescimento celular rápida em cães

bulletComo transportar um cão machucado 2

bulletImportância na dosagem da frutosamina no diagnóstico de diabetes em gatos

bulletO tratamento para o envenenamento por arsênico em cães



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Macm Kennels Caixa Postal 611 Goiânia Goiás 74001970 Tel: +55 (62) 8111.3600 (62) 4053.8280 (11) 4063.1570 >

bullet Av. Brasil 1772, Jd. Chapad?o Campinas/SP * ATENDIMENTO 24HRS * (ao Lado do posto Shell cruzamento com a Imperatriz Leopoldina x Francisco josé de Camargo Andrade) (19) 3212 2601 // (19) 9822 3758 contato>

bullet Carlos Almeida carlos henrique l n almeida
consultor da cobrap - confederação brasileira de criadores de pássaros
www.carduelis.bio.br
carduelis@carduelisbiobr>

bullet André Galv?o Cintra, MV, Prof. Esp. CRMV SP 6765 VicePresidente ABCC Bret?o. email: andre@vongold.com.br. Site: www.vongold.com.br >

bullet Jo?o Kleinerdr jo?o alfredo kleiner dvm, msc especialista em oftalmologia e clínica cirúrgica geral acvo ophthalmology course wisconsin, madison ? 1998 e-mail: docjak@vetweb.com.br>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletOs pinguins de madagascar: operação patrulha pinguim

bulletO dia do gato

bulletO pássaro das plumas de cristal (l uccello dalle piume di cristallo)

bulletEu sou a lenda

bulletThe batman (1943)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletA arca de noé

bulletO estranho caso do cachorro morto

bulletFalando de passaros e gatos

bulletUm gato aprende a morrer

bulletCães de guerra

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos